Press "Enter" to skip to content

Cautela externa, China e inflação derrubam Ibovespa

Às 11h19, o índice cedia 1,21%, aos 124.160,28 pontos, na mínima intradia (Foto: Shutterstock)

Tom cauteloso no exterior no último pregão de julho impede recuperação do Ibovespa. Na quinta-feira, (29), ao contrário de Nova York, o índice à vista da B3 fechou em queda de 0,48%, aos 125.675,33 pontos. Nesta sexta-feira, (30), a aversão ao risco externa a preocupações internas com o fiscal e com a inflação jogam o Ibovespa para o negativo. Às 11h19, cedia 1,21%, aos 124.160,28 pontos, na mínima intradia.

Dúvidas sobre as novas regulações de Pequim ao setor privado do país e da decisão do gigante asiático de reduzir a produção de aço ficam no radar nesta sexta-feira. Neste ambiente, o Ibovespa dificilmente deixará de encerrar o mês em queda, após quatro altas mensais seguidas. No horário acima, a perda acumulada em julho é de 1,79%. Nem mesmo tende a terminar a semana com valorização, depois de ceder na anterior. Até agora, a perda semana é de 0,41%.

Por ser o último dia da semana e do mês, o grande ponto, observa Thomas Giuberti, sócio da Golden Investimentos, é que poucos investidores tenderão ao risco. “Ninguém vai tomar risco. Semana que vem temos Copom, entra agosto e Brasília estará de volta termina recesso parlamentar”, cita.

A aversão a risco acomete os mercados, a despeito de alguns balanços fortes e melhores do que o esperado nos EUA. A exceção foi ontem, com a Amazon, cujo resultado veio aquém das expectativas. Por lá, o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) teve alta de 0,1% em junho, ante previsão de queda de 0,2%. A medida de inflação mais usada pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) não surpreendeu, avalia o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus.

“Veio alinhado com o PIB de ontem, abaixo do esperado, mostrando que a inflação e o crescimento dos EUA não estão tão fortes, tão acelerados. Reforça que Jerome Powell (presidente do Fed) está correto em suas análises e no tom mais ‘dovish’ com a economia americana”, afirma Laatus. Neste sentido, explica, a tendência é de continuidade de estímulos nos EUA.

As bolsas europeias caem mesmo após dados de atividade melhores na zona do euro, na esteira de preocupações com as medidas restritivas da China a empresas. O minério de ferro fechou com forte queda de 7,39%, no porto chinês de Qingdao, a US$ 181,57 a tonelada, o que pode impedir recuperação das ações do setor. Vale cedia 3,52%.

De acordo com Naio Ino, Responsável pela mesa de trading de equities da Western Asset, a semana teve muita notícia que incomodou o mercado, como as vindas da China, o que sempre acaba gerando preocupação, mas pode ser algo pontual. “Aqui, obviamente tem sempre os ruídos políticos e os mercados ainda dando mais atenção a resultados. Os investidores continuarão de olho no desempenho das empresas e mais ainda nas perspectivas para os próximos trimestres”, afirma.

Nem mesmo os números da Usiminas amenizam a queda das ações e do Ibovespa. O lucro líquido da siderúrgica veio 50,68% acima da média das estimativas consolidadas pelo Projeções Broadcast. O lucro entre abril e junho de 2021 foi de R$ 4,543 bilhões, enquanto a média das projeções era de R$ 3,015 bilhões. As vendas de aço da Usiminas somaram 1,32 milhão de toneladas, o maior volume desde o terceiro trimestre de 2014.

Além da cautela externa, o Ibovespa continua se ajustando também às perspectivas de um Copom mais agressivo na próxima semana. De 51 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, 44 (86%) preveem aumento juro em um ponto porcentual, de 4,25% para 5,25%.

O déficit de R$ 65,508 bilhões em junho do setor público consolidado ficou mais forte do que a mediana negativa de R$ 64,2 bilhões das projeções (-R$ 75,3 bilhões a -R$ 29,756 bilhões), o que pode incomodar também, em meio a ameaças ao teto de gastos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou ontem que o programa para impulsionar a geração de empregos ente jovens, chamado de BIP, será bancado por meio de crédito extraordinário, que fica fora do teto de gastos, a regra que limita o avanço das despesas à inflação.

Além disso, hoje o presidente Jair Bolsonaro afirmou que se a pandemia de covid-19 continuar, pretende manter o pagamento do auxílio emergencial a pessoas que necessitam de ajuda financeira.

Por Maria Regina Silva

Siga o Mercado News no Twitter e no Facebook e assine nossa newsletter para receber notícias diariamente clicando aqui.

Seja o primeiro à comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *