Press "Enter" to skip to content

Sinal de retomada gradual dos EUA alimenta busca por risco moderada na Bolsa

Sinal de retomada gradual dos EUA alimenta busca por risco moderada na Bolsa (Foto: Espaço B3/Divulgação)

A despeito da taxa de inflação norte-americana em maio acima da esperada pelo consenso de mercado, as bolsas de Nova York avançam, o que também permite valorização do Ibovespa nesta quinta-feira. Às 10h38, o indicador da B3 subia 0,17%, aos 130.124,95 pontos. Ontem, o Ibovespa voltou a subir (0,09%, aos 129.906,80 pontos), depois de ter caído no dia anterior, quando interrompeu uma série de ganhos.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos atingiu 0,6% em maio, ficando abaixo da alta de 0,8% registrada em abril, e acima da mediana de 0,4% das estimativas na pesquisa Projeções Broadcast.

De acordo com Alexandre Brito, sócio da Finacap Investimentos, por enquanto, a visão é de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) deve continuar com sua política de estímulos e com manutenção dos juros. “Assim como sugeriu o payroll informado na semana passada, a sensação é de que a economia americana ainda não está em nível de crescimento como o imaginado”, observa.

“Veio acima, mas nada exorbitante como foi em abril 0,8%, ante projeção de 0,2%. Nada que deva mudar a cabeça do Fed. O cenário é bom, de recuperação gradual”, afirma o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus.

Os rendimentos dos títulos americanos renovaram máximas após a divulgação. “Muito provavelmente, o Fed manterá o juro baixo por mais tempo, mas sempre tem o risco de antecipar o processo de alta”, pondera Victor Bueno, da Top Gain Investimentos.

Os pedidos semanais de desemprego nos EUA caíram 9 mil, a 376 mil, ante expectativa de 370 mil. O Banco Central Europeu (BCE), por sua vez, manteve os juros como o esperado e disse que seguirá comprando bônus em ritmo mais acelerado para impulsionar a economia.

Para Laatus, o entendimento dos dados informados hoje nos EUA vai na mesma direção da visão da presidente do BCE, Christine Lagarde, de que a economia da zona do euro está em crescimento, mas que o ritmo é gradual. “Ou seja, é um processo que é bom, mas não é ótimo.” Para Lagarde, fatores temporários explicam o aumento da inflação na zona do euro e o BCE não discutiu a redução de compras de ativos porque seria “prematuro”.

Diante de sinais de que a inflação está sob controle e que o desempenho da economia é considerado razoável, o PBoC (Banco Central da China) manteve sua política monetária.

As cotações do petróleo sobem, após o relatório mensal da Opep sobre o mercado da commodity mostrar manutenção de alta na demanda global pela matéria-prima. Além de ficar de olho no petróleo, o investidor das ações da Petrobras também avaliam a informação de que a estatal iniciará, no domingo a primeira das duas aquisições sísmicas do projeto de monitoramento do campo de Sapinhoá, na área do pré-sal da Bacia de Santos. Às 10h42, o papéis da estatal subiam em torno de 1%.

Na China, no porto de Qingdao, o minério fechou com valorização de 1,96%, a US$ 216,84 a tonelada. No entanto, a alta é insuficiente para impulsionar os papéis da Vale, em meio a algumas notícias desfavoráveis envolvendo a mineradora. No horário citado acima, as ações cediam 0,78%, levando junto os papéis de outras empresas do setor (Usiminas caía 0,85%) e de siderurgia (Gerdau PN caía 0,31%).

A barragem da Vale chamada Xingu, na mina Alegria, em Mariana (MG), corre “grave e iminente risco de ruptura por liquefação”, conforme a Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais, responsável por interditar atividades da empresa no local, informa a Reuters. Além disso, a companhia foi condenada a pagar R$ 1 milhão por cada trabalhador morto em Brumadinho (MG).

Na expectativa de avanço no processo de privatização da Eletrobras, os papéis reagem positivamente (subiam em torno de 2% perto de 11horas). O relator da medida provisória que trata da desestatização da companhia, senador Marcos Rogério (DEM-RO), afirmou que deve finalizar seu relatório, no máximo, até a próxima terça-feira e pretende levar o texto para discussão no plenário no mesmo dia.

Além de a privatização ser um importante sinalizador para o investidor estrangeiro, também é seria importante para atenuar preocupações com a questão hídrica, observa Brito. “Traria força para o capital político do governo e para o investidor estrangeiro”, diz.

Por Maria Regina Silva

Siga o Mercado News no Twitter e no Facebook e assine nossa newsletter para receber notícias diariamente clicando aqui.

Seja o primeiro à comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *