Press "Enter" to skip to content

Braskem reativará operações de cloro e soda em Maceió com sal importado do Chile

(Foto: Divulgação/Braskem)

A Braskem vai reativar ainda nesta semana, provavelmente, as suas operações na unidade de cloro e soda em Maceió (AL). A planta, que estava desativada há quase dois anos, vai funcionar com o sal importado do Chile. A informação foi dada nesta segunda-feira pelo vice-presidente industrial da companhia, Marcelo Cerqueira. A empresa deve divulgar um fato relevante para informar ao mercado a volta da operação assim que o negócio estiver totalmente acertado.

—> Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito, todos os dias, em seu e-mail

A paralisação preventiva de toda a atividade de extração de sal da companhia foi anunciada pela empresa em maio de 2019, após o evento geológico que afundou o solo de alguns bairros e causou tremores de terra. Com isso, foi interrompida também a produção na planta em Maceió, o que afetou parcialmente a operação da planta de PVC em Marechal Deodoro e as operações no Polo de Camaçari (BA).

A Braskem diz que fez um investimento de R$ 60 milhões para adaptar a planta ao recebimento da matéria-prima até que se ache alternativas para uma nova extração do sal-gema. Por enquanto, a Braskem pesquisa outros pontos no estado para a exploração da matéria-prima. A empresa garante que a extração não será feita mais em área urbana para evitar novos acidentes.

Em novembro de 2019, a Braskem apresentou à Agência Nacional de Mineração (ANM) e demais autoridades medidas para o encerramento definitivo da extração de sal e fechamento de seus poços em Maceió. Segundo a Braskem, esta ação fez parte das iniciativas que vem sendo propostas nos contínuos diálogos da empresa junto ao órgão regulador.

Entre as ações, foi criada também uma área de resguardo em torno de 15 poços com a realocação de pessoas e desocupação de cerca de 500 imóveis, “além do monitoramento contínuo das áreas vizinhas”. Nos demais poços, a recomendação foi de que medidas complementares de monitoramento fossem adotadas, sem necessidade de realocação de moradores, de acordo com a Braskem.

“A Braskem disponibilizou os recursos necessários e todo o planejamento para a execução destas ações em conjunto com a Defesa Civil e demais autoridades. Todas as medidas e ações foram e são baseadas nos estudos que o Instituto de Geomecânica de Leipzig (IFG), da Alemanha, referência internacional em geomecânica de poços de sal, vem fazendo a partir dos dados dos sonares executados nos poços de extração de sal da Braskem”, diz a empresa.

Por Wagner Gomes e Luísa Laval

Siga o Mercado News no Twitter e no Facebook e assine nossa newsletter para receber notícias diariamente clicando aqui.

Seja o primeiro à comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *