Press "Enter" to skip to content

Yellen defende pacote fiscal de Biden e fala em ‘agir com grandeza’ contra crise

Dólar abre em alta com o exterior (Foto: Shutterstock)

A indicada pelo presidente eleito dos Estados Unidos Joe Biden para assumir a secretaria do Tesouro, Janet Yellen, defendeu o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão anunciado na semana passada pelo futuro líder da Casa Branca. “Os benefícios superam os riscos. Com juro baixo, o melhor a fazer é agir com grandeza”, declarou a indicada nesta terça-feira, durante sessão do Comitê de Finanças Senado americano que votará sua confirmação no cargo. “Economistas nem sempre concordam, mas há um consenso agora: sem mais ação fiscal, corremos risco de recessão prolongada. É preciso fazer mais para apoiar a economia americana”, afirmou.

Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito, todos os dias, em seu e-mail

O pacote fiscal de Biden – que ainda precisa ser apreciado pelo parlamento – multiplica benefícios concedidos à população afetada pela crise econômica trazida pelo novo coronavírus. Entre as propostas, está a expedição de um novo cheque de US$ 1.400 a cidadãos elegíveis, o que, somado aos US$ 600 já aprovados pelo Congresso, totalizaria US$ 2.000 para cada beneficiário do programa. Porém, como mostrou na sexta-feira o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o pacote deve ser enxugado pelos deputados e senadores.

Embora tenha defendido a aprovação do pacote fiscal de Biden, Janet Yellen reconheceu que, para aplicá-lo, será preciso aumentar o endividamento do país. “É essencial pôr o orçamento público em uma trajetória sustentável, mas é preciso oferecer apoio fiscal agora. Responsabilidade fiscal neste momento de crise é oferecer estímulo”, declarou. A dívida pública americana já bateu 130% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA e está em trajetória ascendente, como mostrou reportagem do Broadcast.

Em busca de sua aprovação para a secretaria do Tesouro, Yellen afirmou aos senadores que passou sua vida pensando “em como ajudar pessoas a superar tempos difíceis”. Ela foi presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de 2014 a 2018, antecedendo o atual dirigente da autoridade monetária, Jerome Powell. “Quero garantir que tenhamos uma economia competitiva, com bons empregos e salários. Temos de investir em infraestrutura e qualificação de mão de obra. Temos de reconstruir a economia americana, então contem comigo para um trabalho bipartidário”, afirmou, durante a sessão.

O governo de Joe Biden terá maioria no Senado americano, mas com margem apertada: tem apenas o voto de Minerva da futura presidente da Casa, a vice-presidente eleita Kamala Harris.

Yellen ainda defendeu a vacinação em massa contra a covid-19 “o quanto antes” como forma de recuperar plenamente a economia do país, e negou ter conflito de interesses para assumir a secretaria do Tesouro. O Senado ainda não votou sua indicação, mas a expectativa é que o nome seja aprovado no Congresso.

Por Eduardo Gayer

Siga o Mercado News no Twitter e no Facebook e assine nossa newsletter para receber notícias diariamente clicando aqui.

Seja o primeiro à comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *